MENU

13/10/2020 às 22h31min - Atualizada em 13/10/2020 às 22h31min

Como o mundo vem tratando dependência de jogos?

Jogador Compulsivo

Portal de Recuperação - Fernando
portalderecuperacao.com.br/
portalderecuperacao.com.br/

Foram muitas décadas de debates e estudos até que a OMS – a Organização Mundial da Saúde – reconhecesse o vício em jogos eletrônicos na lista de CID (Classificação Internacional de Doenças). Desde então, como o mundo vem tratando a dependência de jogos?

Pelas orientações da OMS, o diagnóstico da dependência em games e outros tipos de entretenimentos eletrônicos é determinado pelo nível de prioridade que o indivíduo dá para eles. Quando são colocados à frente de tarefas importantes, como estudos e trabalho, e prejudicam a vida pessoal ou a convivência com outras pessoas, é hora de procurar ajuda.

Contudo, um dos elementos que são considerados para o tratamento é o tempo pelo qual o gamer está inserido nessa rotina prejudicial. O padrão deve ser ininterrupto por ao menos 1 ano.

Em essência, esse é um vício que se assemelha com outros, como o uso abusivo de drogas ou de bebidas alcoólicas. No entanto, a dependência se dá pela descarga de substâncias que o próprio organismo produz quando o sujeito está jogando.
 

Estudos sobre a dependência de jogos

Por se tratar de uma doença recentemente reconhecida, ainda carecemos de mais estudos sobre o tema. Isso tem motivado pesquisadores em centenas de universidades de renome nacional e internacional.

De qualquer forma, a OMS estima que cerca de 60 milhões de pessoas sofrem com a dependência em jogos atualmente ao redor do mundo. Considerando que há em torno de 2 bilhões de jogadores de videogame, esse é um percentual de 3%.

Essa é uma fatia enorme de jovens que estão perdendo o controle da situação e se limitando a meros objetos da própria dependência. Com isso, deixam de sair com familiares, amigos, abandonam os estudos e têm uma série de conflitos familiares.

O distúrbio do jogo online é uma enfermidade que deve deixar os pais, familiares e cônjuges atentos. Afinal, o jogador compulsivo costuma mentir sobre a quantidade de tempo que passa se dedicando aos fames e, além de tudo, é capaz de desenvolver tolerância e ter crises de abstinência.
 

Como o mundo vem tratando a dependência de jogos

Os exemplos advindos de outros países que tratam a dependência de jogos como uma questão de saúde pública são interessantes para compreendermos melhor esse fenômeno e como lidar com ele.

Confira alguns exemplos:

  • Portugal: em terras lusitanas, o CHPL (Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa) fez uma revisão de trabalhos acadêmicos existentes e chegou à conclusão de que 1 a 10% dos jogadores do ocidente estão sujeitos à desordem do videogame. Por isso, estão implementando medidas preventivas para conscientização da população;

  • Coréia do Sul e Japão: o percentual de jogadores viciados no oriente é maior, chegando a até 15% dos gamers. Por isso, os governos destes dois países estão aprovando legislações para limitar a indústria de desenvolvimento de jogos;

  • China: o país que virou símbolo do desenvolvimento no mundo vem dificultando a aprovação de mais jogos para minimizar o consumo compulsivo desse tipo de produto.

E esses são somente alguns casos. A preocupação com o vício em jogos é crescente. Se você desconfia que o seu filho está ficando dependente da tecnologia, não hesite em procurar por ajuda.


Portal de Clínicas de Recuperação, busca através de profissionais gabaritados trazer ao leitor matérias explicativas para saber lidar com esta terrível doença que assola todo mundo, onde você também encontrará diversos tipos e unidades de tratamento para fazer uma internação ou buscar apoio profissional.
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Onde realizar o tratamento de dependentes químicos?

0%
5.0%
95.0%
Podemos Ajudar?